Top Itália #4 Veneza

Não é apenas uma das urbes mais famosas de Itália. Esta foi a capital da antiga e poderosa República de Veneza, centro de um monopólio comercial no Mediterrâneo, palco de histórias e carnavais. Apresentamos a Sereníssima em sete passos.

Arte

Vidro de Murano

Para desenjoar de telas e corpos esculturados, sugerimos uma forma de arte diferente: o artesanato vidraceiro.


Reserve uma tarde para ir às ilhas de Murano e Burano, menos caóticas e mais pitorescas.

Em Murano, pode visitar o Museu do Vidro, mas o que não pode perder é uma visita à fábrica de vidro soprado, onde comprovará o talento dos mestres artesãos.

História

As pontes

Neste sistema circulatório de canais não faltam pontes e pontinhas. Historicamente, destacamos duas.


A ponte de Rialto tem estatuto de antiguidade e popularidade. Ainda sobrevive, vetusta e resistente a incêndios, reconstruções e turistas.


A ponte dos Suspiros, bela e melancólica, faz a ligação entre o Palazzo Ducale e a prisão; era onde os prisioneiros suspiravam em despedida à liberdade.

Paisagem

O Grande Canal


Admitimos que deslocar-se nos vaporetti não é barato, mas poderá comprar um bilhete diário e aproveitar para ir às ilhas em redor.

O itinerário obrigatório é a linha 1, que percorre o Grande Canal, oferecendo uma panorâmica interior de Veneza com vista para as fachadas dos palácios e para a arquitetura típica em baixo-relevo.

Cultura

Piazza San Marco

Nesta praça ampla, repousam pombos e turistas em pé de igualdade.


Persista: por entre a confusão, as galerias e arcadas transportam-nos a outros tempos; o majestoso campanário enche-nos a vista.

Cada construção que nos cerca é um pedaço da biografia empolgante de Veneza: o Palazzo Ducale, a Basílica de São Marcos, a Torre do Relógio, a Ala Napoleónica, a Biblioteca Marciana

Requinte

Os palácios

São inúmeros os locais e edifícios venezianos que merecem ser vistos por fora e por dentro.


Em primeiro lugar, o Palácio Ducal encanta não só pela decoração como pela viagem histórica que proporciona (residência dos governadores, sala de armas, calabouços…).


Por sua vez, o palácio Ca D’Oro é um deleito arquitetónico e atual museu de arte.

Religião

Basílica de São Marcos


A Basília de São Marcos faz a espera valer a pena: lá dentro, a palavra “beleza” adquire novas dimensões com a conjugação de dourados, mosaicos e mármore.

Invista numa visita ao museu da Basílica, que dá acesso aos recantos mais elaborados do edifício e aos seus tesouros bizantinos (vamos tentar amnesiar o facto de que foram saqueados para não estragar a emoção).

Dica extra

Alugue um carro

Em Veneza, não há trânsito. O ideal é chegar de comboio e admirar, à saída da estação, o primeiro vislumbre do canal. É a promessa do que virá depois. É viável palmilhar a cidade até ao centro e poupar o bilhete de vaporetto para visitar as ilhas. Prepare-se para o trilho árduo: as pontes em arco são estreitas, escorregadias e têm degraus, o que não facilita a circulação numa cidade tão lotada.


Apesar de haver indicações por todo o lado, as ruas e vielas são labirínticas, e descortinar o caminho para o centro é toda uma viagem ao País das Maravilhas.

Perder-se e encontrar-se é a forma mais genuína de conhecer Veneza. Além disso, só é confuso no primeiro dia. A partir do segundo dia, é como percorrer a palma da nossa mão.

Sugestões de Diana Rodrigues

Imagens de Pixabay

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s